Aquecimento Recorde no Ártico

A 3 de abril de 2016, a extensão do gelo marinho do Ártico estava num valor baixo recorde para a época do ano, informa a National Snow and Ice Data Center (NSIDC).

Extensão do gelo marinho no Ártico num recorde mais baixo

A imagem em baixo, criada a partir de uma imagem do site JAXA, dá-nos uma atualização quanto à extensão do gelo marinho.

Gelo marinho no Ártico com extensão mínima recorde

Para além da extensão do gelo do mar, a área do gelo do mar também é importante. Para mais sobre o que constitui “cobertura de gelo” e o que é extensão do gelo do mar (versus área do gelo do mar), consulte esta página de Perguntas Frequentes e Respostas da NSIDC.

A 2 de abril de 2016, a área de gelo no mar no Hemisfério Norte estava num valor baixo recorde para a época do ano, informa o Cryosphere Today.

A perda de área do Gelo marinho no Ártico está um mês adiantada

Em 2015 ainda havia mais área de gelo do mar do que há agora quando estávamos meio mês mais tarde (15 dias) no ano. Em 2012, ainda havia mais gelo marinho quando estávamos 25 dias mais tarde no ano. Por outras palavras, o declínio da área de gelo do mar está quase um mês adiantado em relação à situação em 2012.

Andrew Slater, cientista na NSIDC criou o gráfico em abaixo, de dias de graus de congelamento em 2016 em comparação com outros anos na Latitude 80°N. Vejam o site de Andrew e esta página para mais informação.

Número de dias com temperaturas de congelamento no Ártico em 2016

Anomalia no número de dias de congelamento, ou seja, dias com temperaturas abaixo de zero graus (a 2m de altitude), no Ártico (80ºN), para o 1º dia de cada mês comparado com a média de outros anos.

O Ártico aqueceu mais do que noutros lugares na Terra. As temperaturas de superfície ao longo dos últimos 365 dias estiveram mais de 2,5°C ou 4,5°F mais elevadas do que em 1981-2010.

Anomalia da temperatura de superfície no Ártico em Abril de 2016

A imagem abaixo compara a espessura do gelo do mar a 3 de abril para os anos de 2012, 2015 e 2016 (os paineis da esquerda, centro e direita, respectivamente).

Expessura do gelo marinho no Ártico comparada com anos anteriores

Idade do gelo do mar do Ártico caiu dramaticamente ao longo dos anosA espessura do gelo do mar caiu dramaticamente ao longo dos anos, como ilustrado na imagem à direita, do NSIDC, mostrando a idade do gelo do mar do Ártico para a semana de 4 a 10 de Março, desde 1985 a 2016.

As temperaturas elevadas que atingiram o Oceano Ártico ao longo dos últimos 365 dias fazem com que a aparência do gelo do mar no Ártico este ano não seja boa.

O El Niño ainda está forte com temperaturas elevadasComo ilustrado na imagem à direita, o presente El Niño ainda está forte, com temperaturas acima dos 100°F [37.7°C] registadas em três continentes.

O ano de 2016 já está a ganhar forma como o ano mais quente dos registos até agora.

As temperaturas parecem preparadas para subirem rapidamente nos próximos meses, no Hemisfério Norte em grande parte e no Ártico em particular.

A imagem em baixo mostra que durante um período de 90 dias de 13 de Janeiro a 11 de Abril de 2016, a maior parte do Oceano Ártico esteve mais do que 6°C (10.8°F) mais quente do que a média de 1981-2011.

Anomalia da temperatura no Ártico Janeiro a Abril 2016 em relação a 1981-2011

A imagem da DMI em baixo mostra o degelo recente na Gronelândia até 11 de Abril de 2016. Os mapas no painel da esquerda mostram áreas onde o derretimento ocorreu a 10 de Abril e 11 de Abril de 2016. O gráfico no painel direito mostra o degelo em 2016 (linha azul), em contraste com a média de 1990-2013 (o eixo vertical reflete a percentagem da área total do gelo onde o derretimento ocorreu).

Degelo na Gronelândia comparado com média de 1990-2013

Como um estudo recente confirma, os mantos de gelo podem conter enormes quantidades de metano na forma de hidratos e gás livre. Muito metano pode escapar devido ao derretimento e fratura durante as variações meteorológicas.

Temperaturas elevadas na Gronelandia e comparadas a 1979-2000O rápido degelo na Gronelândia parece que vai continuar. As previsões para 12 de Abril de 2016 à direita mostram anomalias das temperaturas no topo da escala (20°C ou 36°F)para a maior parte da Gronelândia e Bacia Baffin, enquanto o Ártico como um todo é atingido por uma anomalia da temperatura de mais de 5°C (mais de 9°F), comparado com 1979-2000.

Para além do mais, as temperaturas do oceano estão muito altas presentemente. Estas temperaturas elevadas, junto com a condição precáŕia do gelo do mar, fazem com que as chances sejam para que o gelo do mar tenha desaparecido na sua maior parte em Setembro.

Temperaturas anómalas no Ártico

A imagem à direita mostra as anomalias da temperatura de superfície acima da latitude 60°N a 4 de Abril de 2016.

A imagem em baixo mostra que, a 7 de Abril de 2016, a superfície do mar de Barrents esteve tão quente quanto 10.1°C ou 50.2°F, uma anomalia de 9.4°C ou 16.9°F a comparar com a média de 1981-2011 (na localização marcada pelo círculo verde em cima à direita), enquanto houveram anomalias tão elevadas quanto 11.3°C ou 20.3°F ao largo da costa da América do Norte (círculo verde à esquerda).

A linha branca mostra o percurso aproximado da corrente fria de saída, enquanto a linha vermelha mostra o percurso aproximado da corrente quente de entrada.

As temperaturas elevadas no Mar de Barrents dão indicação do calor do oceano a viajar em direção ao Oceano Ártico, enquanto que as anomalias de temperaturas elevadas na costa este da América do Norte dão indicação do calor que se está a acumular ali. Muito desse calor vai para o Oceano Ártico nos próximos meses.

Correntes quentes aumenta as temperaturas no Oceano Ártico

Temperaturas da superfície do mar elevadas no Pacífico em AbrilNo Pacífico, as anomalias da temperatura da superfície do mar em relação a 1981-2011 foram tão elevadas quanto 11.6°C ou 20.8°F perto do Japão a 11 de Abril de 2016 (ver imagem à direita), dando indicação da grande quantidade de calor adicional que existe agora nos oceanos do Hemisfério Norte. A perspectiva é que as temperaturas vão aumentar durante os próximos meses para níveis ainda mais elevados do que têm estado no último ano (vejam o post anterior sobre temperaturas em Junho de 2015 no Ártico).

O gelo do mar funciona como um tampão, absorvendo calor e mantendo a temperatura da água no ponto de congelamento. Sem um tal tampão, mais calor irá fazer com que a temperatura da água aumente rapidamente. Além disso, menos gelo do mar significa que menos luz solar é refletida de volta para o espaço e ao invés mais luz solar é absorvida pelo Oceano Ártico.

Estes são apenas alguns dos muitos mecanismos de realimentação que aceleram o aquecimento no Ártico. A água quente que atinge o fundo do mar do Oceano Ártico pode penetrar os sedimentos que podem conter enormes quantidades de metano na forma de hidratos e gás livre, desencadeando uma libertação abrupta de metano em quantidades gigantescas, escalando em aquecimento fugidio, e a posterior destruição e extinção em larga escala.

Numa escala de 10 anos, a libertação de metano no momento presente de todas as fontes antropogénicas já excede todas as emissões de dióxido de carbono como agentes de aquecimento; ou seja, as emissões de metano já são mais importantes do que as emissões de dióxido de carbono no conduzir do ritmo atual de aquecimento global.

A imagem em baixo mostra que o crescimento nos níveis de metano tem acelerado recentemente; uma linha de tendência aponta para um duplicar dos níveis de metano por volta do ano de 2040. Contrariamente ao dióxido de carbono,o potencial de aquecimento global do metano aumenta à medida que mais é libertado. O tempo de vida do metano pode ser estendido a décadas, em particular devido à depleção de hidróxilo na atmosfera.

Taxa de crescimento dos níveis de Metano

A situação é calamitosa e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Comentário de Albert Kallio:
Mais poderia ter sido adicionado do último relatório de Março sobre o gelo do mar do Ártico do National Snow and Ice Data Center (NSIDC), a visão geral da perda massiva de gelo do mar, porque o recorde mínimo de cobertura de neve e gelo está a coincidir com o recorde mínimo de cobertura de neve terrestre. A previsão do NSIDC de que devido às superfícies escuras terem aumentado tanto, levarão facilmente à perda de mais gelo marinho. De facto, a situação de 2016 é ainda pior do que o anterior recorde de 2012 quando a cobertura de neve era muito maior. O mesmo em 2007 quando a área do gelo marinho era ligeiramente menor, havia muito mais cobertura terrestre de neve. Para além disso, nem 2007 nem 2012 ocorreram durante um forte El Niño como o de 1998. O El Nino de 2015-2016 é o mais forte de sempre, acompanhado também pelo oceano Índico, Atlântico e Oceano do Sul em torno da Antártida, todos muito quentes. Por vezes as temperaturas da água do mar na Antártida estavam também elevadas levando ao segundo mais pequeno gelo marinho Austral de Verão a determinado ponto. A área do gelo do mar, também em torno da Antártida, tem estado mais pequena que a média na maior parte do tempo, apesar do aumento em água do degelo e salinidade reduzida – devido a temperaturas elevadas. Todos estes fatores adicionais deviam ser adicionados nas suas conclusões sem esquecer de mencionar que o calor adicionado ao sistema terrestre está a criar uma rutura no Vórtice Polar, à parte das correntes de jato terem começado a misturar-se em outros padrões de ventos atmosféricos. Notem também o fluxo aumentado de gelo marinho através do estreito de Fram devido à baixa viscosidade espacial do gelo marinho, que também resulta de uma maior ação das ondas, mistura vertical do oceano pelo vento, gelo marinho mais fino que se parte mais facilmente e colapsa, bem como por ser na sua maior parte gelo sazonal (contendo vestígios de sais que tornam as ligações químicas nos cristais de gelo mais fracas e frágeis, derretendo mais facilmente). – Albert Kallio

Traduzido do original Record Arctic Warming de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 5 de Abril de 2016.
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *