Corrente de Jato Avariada Mistura Verão com Inverno



Ondas de Gravidade a Misturarem Verão com Inverno? Corrente de Jato Avariada Agora Corre de Polo a Polo

É como se o aquecimento global estivesse a tocar a atmosfera da Terra como se fosse um enorme e cacófono sino de alarme. Os ventos zonais de nível superior estão a balançar muito entre anomalias positivas recorde e anomalias negativas recorde. As ondas de gravidade — o tipo de ondas atmosféricas grandes que tendem a movimentar o ar dos trópicos até lá acima aos Polos e que são poderosas o suficiente para fazerem com que o Mar do Caribe ‘assobie’ nos monitores de satélite — estão a ficar maiores. E o Jet Stream (a Corrente de Jato) agora redefiniu todas as fronteiras — fluindo por vezes desde o Mar Siberiano Oriental no Ártico, através do Equador, fazendo todo o caminho até ao sul na Antártida Ocidental.

Corrente de Jato atravessa o Equador

(A Corrente de Jato – ou Jet Stream – do Hemisfério Norte cruza o equador, nesta imagem de ecrã de Earth Nullschool, para se fundir com a Corrente de Jato do Hemisfério Sul. É a verdadeira imagem da esquisitice do tempo devido às alterações climáticas. Algo que absolutamente não aconteceria num mundo normal. Algo que se continuar, basicamente, ameaça a integridade sazonal.)

****

A grande calha hoje começa perto do Polo no Hemisfério Norte. Ela puxa o ar do Ártico para baixo sobre a Sibéria Oriental e para um percurso de tempestade no Oceano Pacífico. Ali, uma segunda grande queda na Corrente de Jato puxa uma volta louca desse fluxo de ar superior mais para sul. E é aqui que as coisas ficam mesmo estranhas — pois o rio de ar do nível superior que começou no Árctico, em seguida, faz um salto diretamente para lá da linha do Equador.

Mas a nossa história de uma Corrente de Jato rebelde não termina aí. O fluxo de ar do nível superior que se originou perto do Polo Norte junta-se com um padrão de crista da Corrente de Jato do Hemisfério Sul em formação sobre o Sudeste do Pacífico. Alimentando-se de ventos do nível superior muito fortes, vira-se para o sul para uma onda de elevada amplitude que atravessa o Chifre da América do Sul e esbarra, levando consigo um grande pulso de calor extremo para os ares do nível superior sobre a Antártida Ocidental.

Anomalia de temperatura na Antártida Ocidental em Junho 2016

(Uma injeção de ar quente de Verão do Hemisfério Norte para o Inverno do Hemisfério Sul parece ter ajudado na formação de temperaturas acima da média em 8 C no Oeste da Antártida durante Junho de 2016. Fonte da imagem: NOAA ESRL).

Uma Perda de integridade Sazonal Resultante da Mudança Climática?

Como muitos eventos extremos resultantes da mudança climática forçada pelos humanos, esta mistura de ares do nível superior de um hemisfério para outro é muito estranha. Historicamente, os Trópicos – que produzem a massa de ar mais alta e mais espessa do mundo – têm servido como uma barreira geralmente impenetrável aos ventos de nível superior de se deslocarem de um hemisfério para outro. Esta barreira pode tender a desfazer-se durante as transições sazonais. E por vezes obtém-se esta mistura de ventos subtropicais da Corrente de Jato através do Equador.

Mas, como os Polos têm aquecido devido à mudança climática forçada pelos humanos, as Correntes de Jato Hemisféricas têm saído mais e mais das Latitudes Médias — conectando zonas latitudinais mais amplas. Têm invadido cada vez mais as regiões tanto dentro da zona Polar como dentro dos Trópicos. Agora, parece que as velhas linhas divisórias estão tão fracas que os fluxos de ar de nível superior entre os Hemisférios podem ser trocados num grau mais extenso.

Se for este o caso, são más notícias para a sazonalidade. A prevenção e redução da mistura de ar entre Hemisférios pela massa espessa de ar quente tropical é o que tem gerado uma forte divisão entre Verão e Inverno durante a Época Climática do Holoceno. Se essa fronteira se desfazer, contudo, teremos mais calor do Verão a transbordar para a zona de Inverno e vice-versa. Obtemos esta mistura de estações desestabilizadora do tempo e geradora de condições meteorológicas extremas que faz tudo parte de um cenário muito difícil de lidar do tipo ‘Morte do Inverno’.

No passado recente, os cientistas favoreceram uma visão de que essa mistura entre Hemisférios não era possível. Mas observações recentes de padrões Ondas Rossby parecem indicar instâncias em que o padrão de ares de níveis superiores ligou os Polos aos Trópicos e, neste caso, em que um padrão de ar de níveis superiores conectou os Polos.

Para além disso, temos um comportamento bastante estranho nos ventos zonais Equatoriais que pode estar relacionado à mudança climática, mas de momento isso permanece um pouco um mistério. Sam Lillo e outros têm acompanhado variações recorde nos padrões de ventos zonais Equatoriais chamados Oscilação Quase-Bienal. E estas variações podem estar relacionadas com o resto da corrente da queda do sistema climático (Ondas de gravidade Rossby, etc).

Oscilação Quase-Bienal com anomalia dos ventos zonais

(Ventos Zonais Equatoriais de níveis superiores variaram de anomalias positivas recorde para anomalias negativas recorde num período de tempo de uns meros três meses. Fonte da imagem: Sam Lillo).

Todas estas observações combinadas apontam para uma preocupação muito séria. O aquecimento Polar parece estar a nivelar a inclinação atmosférica do Equador para os Polos a tal ponto que uma crescente violação da linha divisória sazonal entre Hemisférios pode ser uma nova tendência relacionada à mudança climática. E isso é um tipo de esquisitice do tempo com a qual não estamos realmente de todo preparados para lidar.

Traduzido do original Gigantic Gravity Waves to Mix Summer With Winter? Wrecked Jet Stream Now Runs From Pole-to-Pole, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 28 de Junho de 2016.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *