Gelo Marinho do Ártico Pode Não Sobreviver ao Verão

Quase nenhum gelo do mar pelo final da temporada do degelo. O tão temido Evento do Oceano Azul. Algo que parece cada vez mais provável de acontecer durante 2016 a cada dia que passa.

Estes são o tipo de mudanças da fase climática devastadora no Ártico com a qual as pessoas têm vindo a preocupar-se desde que a extensão, área e volume do gelo do mar mergulhou para níveis angustiantes durante 2007 e 2012. Mergulhos que foram muito mais rápidos do que as taxas de derretimento do gelo do mar previstas pelas execuções de modelos computorizados e pelo consenso científico de então quanto a como o gelo do Oceano Ártico iria responder ao aquecimento forçado pelos humanos neste século. Pois durante a primeira década do século 21 a visão científica dominante era que o gelo do mar no Ártico estaria no nível em que está hoje por volta de 2070 ou 2080. E que não contemplaríamos a possibilidade do gelo do mar estar a zero ou perto de zero até ao final deste século.

Mas a incrível capacidade de uma emissão de combustíveis fósseis inconcebível para transformar rapidamente o nosso mundo para o pior parece agora superar aquela ciência cautelosa. Pois durante 2016, o Ártico tem experienciado um ano quente recorde como nunca antes. As temperaturas médias sobre a região têm atingido valores inéditos. Temperaturas que – quando alguém que compreende a natureza sensível do Ártico olha para elas – inspiram sentimentos de deslocamento e descrença. Devido à nossa cobertura de gelo do mar no Ártico ter estado consistentemente em recordes baixos durante todo o inverno, tem vindo a seguir uma curva inclinada de perda de gelo desde Abril, e agora parece ter começado a cair de um precipício. Perdas severas susceptíveis de impactar tanto a Corrente de Jato [Jet Stream] como a formação de condições meteorológicas extremas no Hemisfério Norte durante a Primavera e Verão de 2016.

A Derreter mais de Duas Semanas Mais Rápido do que no início da Década de 2000

Desde 27 de Abril, de acordo com um registo da extensão do gelo do mar fornecido por JAXA, as taxas diárias de perda de gelo do mar têm estado na faixa de 75.000 quilómetros quadrados por cada período de 24 horas. Isso são 300.000 quilómetros quadrados de gelo do mar, ou uma área do tamanho do Novo México, perdida em apenas quatro dias. Só em 2015 é que alguma vez havíamos visto tais taxas similarmente rápidas de perda para esta época do ano.

extensão do gelo do mar no Ártico em queda cada vez mais acentuada

(Nunca vimos perdas de gelo do mar no início da temporada como estas antes. Perdas do gelo do mar graves deste tipo podem ajudar a gerar frentes fortes e ondas de calor extremas como as que vemos agora a afetar a Índia e Sudeste Asiático. Fonte da imagem: JAXA).

Contudo, esta taxa excessiva de perda de gelo está a ocorrer em toda uma região do Árctico que apresenta dramaticamente menos gelo (excedendo a marca de 2015 para o mesmo dia do ano em cerca de 360.000 quilómetros quadrados) do que em qualquer outro ano comparável, ​para o mesmo dia. Em essência, a extensão do degelo está agora mais do que uma semana adiantada em relação a qualquer outro ano anterior. Está duas semanas e meia adiantada em relação às taxas de derretimento durante a década de 2000. E a taxa de declínio deste ano está ainda mais acentuada.

As taxas de derretimento atuais, se mantidas durante todo o Verão, iriam acabar com praticamente todo o gelo. E, o que é preocupante, esta é uma possibilidade distinta dado o estado severamente enfraquecido do gelo, as grandes áreas de água escura e aberta disponível para absorver os raios do sol enquanto o Verão progride, e devido ao facto de que o calor do Ártico continua a alcançar recordes quentes estremos. Além disso, as taxas de derretimento tendem a acentuar-se sazonalmente a partir de meados de Junho. As taxas de perda de gelo a aumentarem tão rapidamente agora, no final de Abril e através do início de Maio, podem vir a ver uma maior aceleração à medida que mais e mais luz solar direta continua a cair sobre as já grandes áreas expostas de água escura que absorve calor.

Buracos Enormes no Beaufort

Ao longo de toda a bacia do Ártico, essas regiões de absorção de luz solar ocupam muito mais área do que o que é típico. O Bering derreteu muito cedo. Baffin Bay está muito retirado em relação a anos típicos. Hudson Bay está a começar a quebrar. Os mares de Barents e da Gronelândia apresentam muito mais água aberta do que é típico. Contudo, não há nenhuma região a mostrar perdas mais dramáticas de início de temporada do que a de Beaufort.

Derretimento acentuado do gelo em Beaufort deixa zonas de águas abertas azul escuras

(Este mar de Beaufort nunca pareceu ter tão mau aspecto tão cedo no ano. Ondas de amplitude elevada na Corrente de Jato continuam a entregar calor recorde, ventos quentes e húmidos, e derretimento recorde do gelo marinho para esta região do Ártico. Para referência, o bordo inferior do quadro nesta imagem é de cerca de 600 milhas. Os veios em tufos que se vê na imagem é a cobertura de nuvens, as secções de branco sólido são neve e gelo. E o azul que se vê são as águas abertas do Oceano Ártico. O tamanho dos intervalos de água nas secções mais amplas são agora de mais de 150 milhas. Fonte da imagem: LANCE-MODIS).

Lá, o gelo continua a recuar rapidamente em relação às margens do Oceano Ártico no Delta Mackenzie e no Arquipélago Ártico Canadense – onde uma grande brecha se abriu no gelo do mar. Agora entre 70 e 150 milhas de largura, esta área de água aberta vê consistentemente temperaturas de superfície quentes o suficiente para derreterem o gelo do mar (acima de 28 F ou cerca de -2 C).

Esta grande massa de água aberta do tamanho de um mar em si mesma, criou agora uma nova zona de bordo de início da temporada para o gelo. Um lugar onde uma espécie de mini-dipolo pode surgir entre as superfícies de água em aquecimento mais rápido e o gelo reflexivo mais frio. Uma tal zona tenderá a ser um imã para as tempestades. E um sistema de baixa pressão está previsto trazer para cima uma protuberância extrema na Corrente de Jato sobre o Alasca e o Canadá, continuando para esta zona do Ártico ao longo dos próximos dias. Tempestades deste tipo tendem a apressar a fusão e o quebrar do gelo nas zonas de bordo pelas ondas que se geram, pelo puxar de ares mais quentes do sul, ou ao fazer cair precipitação líquida ao longo da borda de gelo que derrete. E o facto de que este tipo de dinâmica está a estabelecer-se em Beaufort no início de Maio é nada menos do que extraordinário.

Calor no Ártico Nunca Antes Visto

Mais ao norte, espera-se que a alta pressão continue a dominar nos próximos sete dias. Isso irá gerar ainda mais compactação do gelo já fraco enquanto permitindo que mais e mais luz solar caia sobre esse véu branco já muito estreito.

Dias de graus de congelamento no Ártico são menos 1000 que em 1980-2000

(O Ártico está agora tão quente que este gráfico é agora demasiado pequeno para capturar o calor extremo na região. Os dias de graus de congelamento são agora mais do que 1.000 a menos do que o eram durante um ano típico e do que no período já muito mais quente do que o normal entre 1980 e 2000. Fonte da imagem: CIRES).

Espera-se que as temperaturas para o Árctico variem entre 2,5 e 3,5 C acima da média nos próximos sete dias. Condições muito quentes que vão continuar a martelar para baixo os totais de dias de graus de congelamento, os quais já ultrapassaram uns inéditos -1000 desde o início do ano na região mais elevada do Ártico, acima dos 80 graus de Latitude Norte. Em termos leigos, quanto menor o número de dias de graus de congelamento o Ártico experiencia, o mais próximo está de derreter. E perder 1000 dias de graus de congelamento é como remover o mês mais frio do inverno inteiramente da equação do balanço térmico nesta região de maior latitude do Hemisfério Norte.

Praticamente todos os indicadores nos levam a concluir que o gelo do mar do Ártico está a ser atingido pelo calor como nunca antes. E as perdas acentuadas e perturbadoras de início de temporada que vemos agora, em combinação com o extremo calor excessivo e os padrões climáticos que aceleram o derretimento, são susceptíveis de continuar a reforçar uma tendência de perdas recordes. Tais medidas baixas de gelo do mar também tendem a distorcer os padrões meteorológicos em todo o mundo – gerando zonas de ondas de calor e secas extremas ao longo das linhas de cristas e às invasões do Ártico pelo vento quente relacionadas que tenderão a desenvolver-se, gerando ao mesmo tempo risco de eventos de precipitação recorde nas zonas de depressão. A este ponto, o Oeste norte-americano está novamente a configurar-se para exatamente um padrão assim de onda de calor zonal. O calor extremo que se acumula na Índia e no Sudeste Asiático também parece estar a seguir um deslocamento similar para o norte.

Traduzido do original
Arctic Sea Ice is Falling off a Cliff and it May Not Survive The Summer
, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 2 de Maio de 2016.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *