Incêndios Florestais na Terra do Solo Congelado

Incêndios Florestais na Terra da Permafrost (Pergelissolo) – 1.000 Milhas de Cobertores de Fumo na Sibéria em Chamas

Mais um dia num mundo quente recorde. E em poucas horas, logo abaixo do Círculo Ártico na Sibéria, a temperatura está prevista atingir 33,2 C (ou cerca de 92 graus Fahrenheit). De acordo com a reanálise de dados do clima, são cerca de 15 a 20 C acima da média para esta época do ano, sobre uma terra cheia de florestas boreais e cobertura de solo adaptados ao tempo frio, os quais, logo abaixo dos primeiros pés de liteira, é suposto estarem continuamente congelados.

Temperatura elevada e incêndios na Sibéria

(Temperaturas de 32 C [92F] correm para dentro dos 3,7 graus de latitude a sul do Círculo Ártico [66 N]. Estas são leituras no intervalo de 15 a 20 graus Celsius acima do normal e são provavelmente intervalos recorde para a área. Nas proximidades, enormes incêndios florestais Siberianos ardem neste momento. Fonte da imagem: Earth Nullschool).

Ao longo de toda a fronteira sul e oeste desta região de calor extremo, há incêndios muito grandes agora. Iniciando-se perto e a leste do lago Baikal durante o início de Abril, Maio e Junho, os incêndios têm vindo desde então rumo a norte. Agora estendem-se visivelmente ao longo de um prolongamento de aproximadamente 1.000 milhas da Sibéria Central, chegando tão a norte quanto ao próprio Círculo Ártico.

Tão recentemente quanto 25 de Junho, as autoridades russas indicaram que cerca de 390 milhas quadradas arderam ao longo da borda sul desta zona, apenas em Buryatia. Para outras regiões, a dimensão é aparentemente incontável. Um número não declarado de bombeiros estão agora empenhados com estas chamas e foram presentemente assistidos por umas 150 pessoas adicionais do exército russo. A agência de notícias Interfax também relata que uns 11.000 do pessoal do exército russo estão atualmente em estado de espera para combater os incêndios maciços, em caso de necessidade.

Incêndios Florestais na Sibéria e cobertor de fumo

(Imagem do satélite LANCE-MODIS da NASA a 30 de Junho de 2016 mostra enormes plumas de fumo erguendo-se de incêndios intermitentes aparentemente em chamas ao longo de uma faixa de aproximadamente 1.000 milhas a partir da Sibéria Central. Para referência, o bordo direito da imagem são aproximadamente 1.200 milhas.)

A Sibéria de hoje é um vasta terra em descongelamento e exércitos de bombeiros são agora aparentemente necessários para parar ou conter as chamas. Já intercalada com camadas profundas de turfa, a permafrost em derretimento adiciona um combustível adicional semelhante à turfa a esta zona de permafrost. Quando a turfa e a permafrost descongelada se inflamam, gera um fumo mais pesado do que um incêndio florestal típico. Isso pode resultar em qualidade do ar muito pobre e incidentes de doença relacionados. Durante 2015, um fumo asfixiante relacionado a incêndios de turfa forçou uma resposta de emergência dos bombeiros russos. A espessa camada de fumo que abrange actualmente a Sibéria (visível na imagem do satélite LANCE MODIS a 30 de Junho, em cima) agora cobre na sua maioria regiões desabitadas. Mas a cobertura e densidade do fumo não é menos impressionante.

Os incêndios de turfa e permafrost descongelada têm o potencial para arder durante longos períodos, gerando pontos quentes que podem persistir durante o Inverno – emergindo como novas fontes de ignição a cada Verão que passa, até porque o aquecimento no Ártico se intensifica. Durante os últimos anos, os incêndios florestais no Ártico Siberiano têm sido bastante extensivos. De acordo com a análise por satélite da Greenpeace, os incêndios de 2015 cobriram no todo 8,5 milhões de acres (ou cerca de 13.300 milhas quadradas). Estes relatórios entram em conflito com os números oficiais da Rússia. Números que a Greenpeace indica caem bem abaixo da área total real queimada.

(Incêndios florestais surgem ao norte e oeste do lago Baikal a 27 de Junho, imagem a partir imagens do satélite japonês Himawari 8.)

A permafrost a descongelar sob as temperaturas siberianas a aquecerem não apenas gera combustível para estes incêndios, torna-se uma fonte adicional de emissões de gases de efeito estufa. E à medida que a área de terreno que os incêndios queimam no Ártico se expande juntamente com o pulso de calor de aquecimento forçado pelos humanos, este feedback amplificador ameaça adicionar a um problema já de si grave.

Traduzido do original Wildfires in the Land of Frozen Ground — 1,000 Mile Long Pall of Smoke Blankets Burning Siberia, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 1 de Julho de 2016.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *