Queda Dramática do Gelo do Mar no Ártico

Desde o início de Abril de 2016, tem havido problemas com o sensor do satélite F-17 que forneceu os dados para muitas das imagens do gelo do mar no Ártico. A 12 de Abril, o NSIDC emitiu um aviso de que tinha suspendido o fornecimento de atualizações do gelo do mar. A 6 de Maio, o NSIDC anunciou que havia completado a transição para outro satélite. A linha pontilhada vermelha na imagem abaixo mostra os dados do satélite F-18 de 1 de Abril a 15 de Maio de 2016.

Extensão do gelo do mar no Ártico em Maio 2016 comparado com 2012

O site da JAXA também fornece imagens da extensão do gelo do mar, obtendo dados de um satélite japonês. Eles mostram que a medida do gelo do Oceano Ártico a 15 de Maio de 2016 era de 11.262.361 quilómetros quadrados, 1,11 milhões de km quadrados menor do que era a 15 de Maio de 2012.

Extensão do gelo marinho no Oceano Ártico comparado a 2012

O Cryosphere Today ainda está a usar dados do satélite F17, mostrando alguns picos estranhos. Albert Kallio pegou numa imagem recente e removeu os pontos defeituosos, resultando na imagem abaixo que mostra a área de gelo do mar até 03 de Maio de 2016.

Área do gelo marinho no Ártico em comparação com anos anteriores

[linha amarela é 2016, linha vermelha é 2015]

Importante: a imagem acima confirma que o gelo do mar do Ártico em 2016 tem de facto estado muito em baixo, se não mesmo no mais baixo para a época do ano. Especialmente desde Abril de 2016, o gelo do mar caiu muito abaixo do quer que seja que tenhamos vimos em anos anteriores. Abaixo, Albert elabora sobre a comparação dos dados.

por Albert Kallio
Os dados do satélite dos EUA reparado (F-17) mostram uma área pequena recorde do gelo do mar para Maio de 2016 concordando com os dados japoneses (Jaxa)

Um conjunto de dados do Sensor Especial de Imagens e Sonda por Microondas (SSMIS), já corrigido no satélite F-17 do Defense Meteorological Satellite Program (DMSP), que fornece temperaturas de brilho por microondas passivas (e os produtos derivados de gelo marinho do Ártico e da Antártida), foi corrigido aqui quanto ao erro de instrumentação do sistema. Isto está de acordo com a curva da JAXA japonesa e foi realizado pela remoção dos picos incaracterísticos para cima de ‘crescimento do gelo’ por intrapolation linear dos pontos de dados corruptos. Isso reforça os dados da JAXA que mostram que a área de gelo do mar no Hemisfério Norte está sazonalmente num novo recorde mínimo que tem continuado em Maio de 2016.

A curva aperfeiçoada do F-17 concorda com a curva japonesa do satélite JAXA. A reconciliação das duas foi conseguida pela remoção dos picos para cima incaracterísticos por intrapolation linear de pontos de dados dos dias corrompidos, os quais mostraram de forma incorrecta um crescimento imenso da área de gelo do mar a meio da temporada de degelo de primavera. Isso reforça os dados da JAXA que mostram que a área de gelo do mar está sazonalmente em mínimos recorde. Portanto, meios de comunicação que estão a citar dados recentes da área de gelo do mar pelo satélite F-17 estão a distorcer intencionalmente os factos com suas reivindicações de o Hemisfério Norte ter uma área de gelo marinho recorde para esta estação – enquanto que na realidade – exatamente o oposto tem acontecido.

O gelo do mar do Ártico está em má forma e tende a deteriorar-se ainda mais, por uma série de razões.

Temperatura acima de 50 graus na Índia e PakistãoO ano de 2016 é um ano de El Niño e de aquecimento, como ilustrado pela previsão de 51°C (124.1 °F) para 22 de Maio de 2016, sobre o Indus Valley no Paquistão (ver imagem à direita).

A insolação durante os meses de Junho e Julho no Ártico é muito mais forte do que no resto do mundo. Os gases de efeito estufa estão em níveis recorde, o CO2 era de 408,2 ppm a 12 de Maio de 2016, e os níveis de metano estão elevados e a aumentarem, especialmente sobre o Ártico.

O calor do Oceano também está muito elevado e a aumentar. A imagem em baixo mostra que os oceanos no Hemisfério Norte estavam 0.93°C (ou 1.7°F) mais quentes no período de 12-meses mais recente (Maio 2015 até Abril 2016) do que a média do século 20.

temperatura-oceano-anomalia-hemisferio-norte-maio-abril

A situação é melhor ilustrada pela imagem em baixo, usando dados da NOAA com a linha de tendência adicionada que aponta para uma subida de 3°C (5.4°F) antes do ano de 2040.

Anomalia da temperatura do oceano numa previsão para 2040

As chances são de que o gelo do Ártico terá desaparecido na sua maior parte até Setembro de 2016. Como o gelo diminui, cada vez mais a luz solar é absorvida pelo Oceano Ártico. Este é um de muitos feedbacks que estão a atingir o Ártico. O perigo é que, à medida que esses feedbacks começam a entrar em cena mais fortemente, o calor vai chegar ao fundo do mar do Oceano Ártico e desencadear a libertação do metano em quantidades enormes a partir do leito marinho do Oceano Ártico.

Recentemente, uma libertação de metano abrupta do leito marinho do Oceano Ártico fez entrar na atmosfera sobre o Mar da Sibéria Oriental, aparecendo níveis tão elevados quanto 2578 ppb (em 586 mb a 15 de Maio, 2016, pm, veja imagem abaixo). Tais libertações abruptas são indícios de que os hidratos de metano estão a desestabilizar e são avisos de que uma catástrofe climática está à espera de acontecer.

Libertação abrupta de metano no Ártico faz subir níveis

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original Further Confirmation Of Arctic Sea Ice Dramatic Fall de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 16 de Maio de 2016.
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *